um coração.

Eu queria saber o que fazer com meu coração quando ele fica assim. Assim apertadinho,batendo fraquinho,tão sem força,como se quisesse morrer. Eu queria tirá-lo  do peito e guardar em outro canto,só por enquanto,só até que ele se recupere. Ai depois eu colocava de volta,mas só quando ele tivesse vontade de bater bem forte. Eu queria ser mais forte. Queria não ligar para o que acontece,queria achar que era só mais uma decepção e que as coisas vão passar logo,assim como já passaram tantas outras vezes...
Mas não. Vem essa fraqueza e me arrasta pro fundo,bem pro fundo. E me deixa sem escolhas. Eu queria fazer um pedido, queria que hoje fosse meu aniversário, e eu pudesse fazer um pedido ao assoprar as velinhas.E eu pediria a oportunidade de escolher. De escolher não ficar abalada com essas coisas bobas,de escolher ser menos sentimental,queria poder escolher ter um coração de pedra, tão forte quanto uma. Mas foram me dar um coração fraquinho assim.. e foram colocar dentro de mim um sentimento tão forte assim. Tanto sentimento que não cabe. Transborda. E me afoga. Prende minha respiração. E ai ele para de bater. Bate pouco. Mas dói. Fisga o peito como uma isca fisga um peixe. E como ela sai rasgando as entranhas dele, essa tristeza sai rasgando as minhas. Por isso,eu perco minhas forças,por isso,eu queria botar agora meu coração pra fora de mim,para que essa dor parasse de me incomodar. E,daqui a um tempo,quando tudo fosse esquecido,eu botava de volta. Daqui a um tempo,quando eu pudesse esquecer que um dia eu fui assim. Quando eu pudesse esquecer que tive um coração. Quando fosse a falta dele que me incomodasse. Então,ele seria bem-vindo novamente.  

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Botão de rosa.