o último.


Marcelo acordou com uma sensação diferente,com um pensamento novo,com uma nova opinião sobre seu namoro. Ultimamente,ele e Vanessa estavam brigando muito. Todos os dias,ao ir pegá-la, uma nova briga. Tantas vezes, começavam a discutir por causa de besteiras. Ele era culpado também de iniciar a briga,ele admitia que era responsável pela forma desagradável como aqueles dias passavam. Ela não brigaria sozinha se ele soubesse contornar a situação, ela não ficaria falando sozinha se ele buscasse um modo de fazê-la parar de falar. Mas não,ele continuava a arranjar motivos,mesmo que de modo inconsciente,para que eles brigassem. Não ligava,dormia muito,tratava Vanessa diferentemente do normal,às vezes,até falava com ela de modo grosseiro ou com má vontade. Ele a amava e sabia disso há muito tempo,desde passados alguns meses de namoro. Sabia que ela o amava também e,acima de tudo,preocupava-se demais com ela,com o que fazer para que ela não ficasse magoada e para que ela sempre se lembrasse dele com carinho e admiração. Tomou uma decisão e,após mais uma briga,mandou uma mensagem dizendo que queria terminar tudo. Ela ligou de volta e perguntou o que estava acontecendo. No dia anterior, ele fizera uma carta em comemoração a mais um mês juntos. Uma linda carta de amor, que a fez chorar e sorrir, que a fez pensar no quanto o amava e no quanto ficaria triste se ele saísse um dia da sua vida. E,de repente,ele quer ir embora,quer partir do seu mundo sem uma explicação plausível e satisfatória, queria desprezar o tempo que passaram juntos e acabar com uma história de uma hora pra outra. “Mas não estava tudo bem ontem?” – perguntou Vanessa meio confusa. “Sim,está tudo bem,mas eu não quero guardar do nosso namoro coisas ruins,quero que ele seja lembrado com um período bom da minha vida,não quero que a gente acabe de um modo trágico,que deixemos de nos falar,que aconteça algo pior. Nestes dias,temos passado por tantas brigas,tantos problemas,preocupa-me o desenrolar dessa situação. Se continuarmos,poderá acontecer de terminamos em meia a uma desavença, de nos dizermos coisas que possam magoar,de não quereremos olhar um na cara do outro. Isso é a última coisa que eu quero nesse mundo”-respondeu ele em meio a lágrimas. Os dois choraram e disseram que se amavam. Ele disse que nunca a esqueceria,ela replicou que sim,ele a esqueceria, que a vida daria muitas voltas,que ele amaria muitas outras e que diria pra essas outras que nunca as esqueceria também. Ela seguiria em frente,acharia outros companheiros,beijaria outros lábios,tocaria em outras mãos. De início,tudo seria diferente. Beijo de gosto diferente, mãos de aspecto diferente,abraço de intensidade diferente. Eles sentiriam falta um do outro, de se desejarem boa-noite, de se ligarem no meio da tarde, de balbuciarem juras de amor em meio à madrugada, de fazerem planos de como seria o nome dos filhos, de quantos teriam,de quando e como se casariam. Depois,iriam se acostumar com o novo, e o que,antes,fazia falta,agora, seria o que havia passado e ficaria no passado. “Não,você não é meu passado,você é meu presente, eu quero que continuemos amigos, quero continuar falando ao telefone todos os dias,quero continuar dizendo ‘eu te amo’”, ele falou. Ela entendeu,mas não achou conveniente. Como iria esquecê-lo se continuassem se falando todos os dias? Ele queria ir vê-la todas as manhãs e abraçá-la como se ainda fossem namorados. Então,por que ele queria terminar? Estava confusa e acreditava que ele não sabia o que fazer, que não tinha noção do que estava fazendo. Ele se contradizia em sua proposta. Queria terminar,mas não queria abandoná-la,não queria que ela saísse da sua vida. Ela disse que,se terminassem,seria de verdade,que ela devolveria a aliança,que não aceitaria ligações, que o esqueceria. Ele hesitava muito,mas continuou firme. Desligaram e choraram antes de dormir. Ao amanhecer, ela recebe uma ligação dele. Antes de desligar,disse que a amava. Mais tarde,liga outra vez. Dessa vez,esperou que ela dissesse antes ‘eu te amo’. Ela não disse. Ele ligou novamente e disse,mais uma vez,’eu te amo’.Vanessa tentava compreender,buscava ajuda,mas ninguém compreendia o porquê de ele estar terminando o namoro se a amava tanto, se queria tanto que eles não se separassem. Esperou que ele tomasse uma decisão,esperou com paciência e com angústia,como se aquela fosse a decisão mais importante de sua vida. Ele era a pessoa mais importante de sua vida. Ele era a sua vida, e ela preferia acreditar que ele não quisesse sair dela. No carro,ela entregou a caixinha em formato de coração que ele lhe dera. Dentro,disse que ele colocasse sua aliança caso quisesse mesmo terminar aquilo. Era como se ela lhe desse seu próprio coração e pedisse que ele decidisse o que fazer com ele. Se o tornava um só ou se o mantinha unido ao dele. Ele olhou para ela e viu a mulher que amava tanto indo embora. Abriu a porta do carro,saltou rápido e correu atrás dela. Ela não olhou para trás, se ele escolhesse que fosse para sempre,que ele não se arrependesse,pois ela não daria,mais uma vez,uma segunda chance. Já dera tanto tempo para ele pensar nas outras vezes. Estava sempre à mercê da sua vontade, o que ele decidia, ela acatava,sempre sorrindo na volta,sempre feliz de estar com ele de novo,de poder amá-lo de novo. Fazia isso porque gostava dele,porque não queria que ele a deixasse. Mas,daquela vez,deixaria que ele pensasse só uma vez e estava decidida com nunca havia estado antes. Enquanto ele a alcançava, lágrimas caíram concomitantemente de seus rostos. Lágrimas de amor,lágrimas de saudade. Ele pegou no seu braço e a beijou com força,com muita força,como se fosse esmagar seus lábios,como se quisesse prendê-los pra sempre junto aos seus. Ela retribuiu,abraçou-o com paixão, beijou-o como se fosse o último beijo. E aquele foi o último beijo. Ele olhou nos olhos dela,viu o choro incontrolado em sua face, passou a mão no rosto de Vanessa e secou suas lágrimas. Deu a volta,entrou no carro e partiu para nunca mais voltar.”Assim que quer,assim será,Marcelo.” Ela seguiu em frente,entrou em casa,passou dias e dias com vontade de morrer,com o coração tão apertado a ponto de quase não existir. A dor foi passando,a vida tratou de fechar sua ferida,afinal,ninguém morre de amor.

Comentários

  1. esse texto é bonito mas tão triste, de quem é?

    ResponderExcluir
  2. de quem é como assim? sobre quem é?

    ResponderExcluir
  3. se foi você quem escreveu, fala sobre marcelo e vanessa não? usou nomes falsos?

    ResponderExcluir
  4. esse texto foi uma passagem da tua vida? de algum livro que tu leu? um texto que escreveu lembrando de alguem? ou que escreveu aleatoriamente (teria que ter bastante inspiração viu, ou tu é realmente uma escritora)?

    ResponderExcluir
  5. eu que escrevi ne..fala sobre marcelo e vanessa(ou não). escrevi me baseando em um fato que ocorreu com alguém.

    ResponderExcluir
  6. pra mim é uma historia que aconteceu contigo, e acontece com TODO mundo mas nem sempre é exatamente assim...contigo até pode ter sido, mas sempre acaba e as lembranças nem sempre são tão boas...o amor do primeiro amor acabou, e foi só aquela boa historia do primeiro, quando nem se sabe ainda o que é amor de verdade, quando nem sabem o que realmente importa, quando não passou da primeira experiência e até tem no texto que as pessoas vão viver outras histórias parecidas, mais intensas...pra valer, afinal, querer que as lembranças sejam boas não é motivo pra acabar com um amor.

    ResponderExcluir
  7. aconteceu,mas não foi comigo..eu não teria problema em dizer se fosse comigo ;) também não acho que seja motivo pra acabar,mas é só uma história BASEADA em algo real.

    ResponderExcluir
  8. você sempre pode mudar o final! acho que tá na hora de escrever outro fim :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Tangerina.

Botão de rosa.