Desastre.

Às vezes, parecia que queria sumir, aliás, queria mesmo. Longe, que não descobrissem. Mas estranho. Amava aquelas pessoas de quem queria fugir, só que a situação pediu fuga. Um lugar perdido, mundo afora, milhas distante desse lugar vazio. Queria, também, fugir de si mesmo. Procurar refúgio longe de seus próprios passos. Ficava preso, rodando em círculos, fugindo da própria sombra, de quem tinha medo...Não restava nada, então. Nem os outros nem ele. Era preciso ir embora logo, descobrir esse lugar onde coubesse tamanho desastre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Botão de rosa.

um coração.