Simples assim.

Oi, linda, mas, a uma altura dessa da vida, você não consegue ainda distinguir atos de palavras? Pensei que sim. Verdade que demoramos um tempo para descobrir. Tempo este que nos traz, além do sofrimento - a pior parte do que aprendemos na vida -, uma boa dose de aprendizado. Todas as palavras ouvidas, durante esse período de ensinamento, que não correspondiam à realidade, foram captadas e guardadas na memória. Isso serve para que, quando as ouçamos novamente, possamos nos recordar de como elas podem, simplesmente, serem apenas frases vazias de sentido. Nós sabemos que saem da boca orações completas que parecem dizer algo, mas será que não aprendeu a identificar a falácia nelas? É difícil mesmo, eu sei. Mas tente fazer uma correspondência maior entre essas palavras e as ações que vêm após serem proferidas. Todos nós, humanos, de fato, temos uma tendência a falarmos mais e a agirmos menos. Eu me incluo, você se inclui. Porém, há aqueles seres - os quais nós devemos saber identificar para a nossa melhor existência -, que exageram nessa dose. De má-fé (este é o problema). Passe a valorar mais os atos concretos, que repercutem no mundo fático e abandone um pouco o universo das ideias. Nós sabemos. Nós sabemos quando isso acontece. Talvez seja o caso de termos também uma vontade maior de aceitar que é isso que está se mostrando, em vez de arranjar qualquer desculpa folclórica para apresentarmos a nós mesmas. Sinais são sinais (e servem para serem assimilados). Palavras são palavras (e somente palavras). Gestos são gestos (então podemos valorá-los). Simples (?) assim. 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Tangerina.

Botão de rosa.