Jantar.


Ontem eu me lembrei de nós dois. Por um instante, passando na Avenida, no meio dos carros. E lembrei. Vi nosso restaurante, que visitamos certa vez. Destruído, assim como o que havia entre nós. As paredes derrubadas, os portões fechados e enferrujados, as janelas com trancas de madeira formando um ‘’x’’, os escombros, restos do que um dia ele foi. Lembrei-me de você na penumbra, das taças de vinho, das minhas mãos tremendo embaixo das suas... dos seus olhos que pareciam incapazes de dizer mentiras. Lembrei-me do meu amor. Que era bonito como aquele lugar em que jantamos juntos, cheio de corações pintados na parede, e o meu junto com eles, mas numa exposição que era só sua. Lembrei-me do quanto eu ansiava que tudo desse certo, da esperança que eu mantinha guardada no peito, do brilho que eu irradiava, da minha alegria. Ontem, em frente àquele lugar, lembrei-me de como fora perfeito para nós dois, hoje, dele, só ficaram restos, que ocupam um lugar à espera de serem retirados, para que seja construída outra coisa em seu lugar, algo sem graça, talvez um posto de gasolina, ou uma loja de carros, vai-se tornar só mais um lugar comum, igual a milhares que existem na cidade, vai ser substituído por algo não tão verdadeiro nem autêntico, uma cópia do que há por aí... Mas o meu amor não, ele era único e real, especial e raro. E foi derrubado com várias marretadas, uma atrás da outra, as portas foram sendo batidas de uma vez, colocaram trancas para que não sobrasse nem uma ilusão de que voltaria a viver, até que não sobrassem pedaços que fossem suficientes para que ele voltasse a ser o que era antes, só restaram pó e partes do que foi um dia, não se podendo nem o reconhecer. Lembrei-me desse amor esmagado, da tristeza que substituiu a felicidade daquele dia, do vazio que veio depois... Três cruzamentos adiante, esqueci, mas lembrei hoje de novo, mesmo quando eu passei apressada, querendo ultrapassar os carros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Disposta

Alegria

Machos.