pais e filhos.

De vez em quando, dá uma raiva da preocupação que nossos pais têm com a gente. Vontade de fugir e arrumar um jeito de viver às próprias custas, mas, aí, a gente percebe que pais (no meu caso, mãe) são assim mesmo e que, depois de toda a briga e das palavras mal ditas, nós temos laços que nunca vão se romper. Bom, e o que seria de nós sem nossos pais? Sem eles pra fazerem distinção do certo e do errado, do bom e do ruim, do que vai nos prejudicar e do que vai nos fazer bem... Nada, não seríamos nada. E é muito ruim você ter sempre uma rédea no corpo, que é puxada de vez em quando, quando eles dizem, volta aqui, não faz isso, que não está certo. E eu digo : - eu não posso saber o que é certo para mim? Eu não posso escolher? Não, não posso. Porque eu tenho 18 anos, e minha mãe tem mais de 4 décadas de vida. Ela  sabe. Eu posso até querer saber e posso, aliás, devo, de vez em quando, fazer minhas próprias escolhas, afinal, a vida é minha. Só que é egoísmo querer passar tanto por cima das regras deles, é ingratidão. É óbvio que você não vai sempre fazer tudo que eles querem para sempre sua vida inteira, até porque, se assim fosse, você ficaria em casa, estudando, comendo e dormindo, porque, só desse modo, acho que eles se sentiriam seguros. Pais se preocupam e sempre vão fazer isso. Filhos acham que isso é desnecessário e que sempre sabem o que estão fazendo. Sempre assim. Desde que Deus criou o mundo. E eu digo, ah, que besteira essa preocupação toda, vou ficar bem, pra que tudo isso..? E depois digo muito obrigada por me alertar, muito obrigada por todo esse carinho, por toda essa atenção. E fico com raiva, muita raiva na hora, com vontade de sair correndo e gritando. E, depois, vem a gratidão, e, o mais importante, vem o perdão. Sempre há o perdão para nos salvar. Vem de mansinho e tímido, vem sem graça e magoado, mas vem. E nos traz de volta o amor esquecido, e nos torna sempre pais e filhos novamente. Acredito eu que irei ainda passar por muitos problemas com meus pais, mas tenho certeza de que vou superar todos, porque assim é que acontece e tomara que seja como tal. Que, depois dessas tempestades, e me torno alguém muito melhor, eu cresço e aprendo. Eu os amo cada vez mais. E sei que vou querer burlar as regras de novo e vou me revoltar e querer fazer da minha vida o que bem entender mais vezes, mas eu sei, também, que eu vou parar pra ouvir muitas e muitas outras vezes. E vou entender, como, agora, eu entendo, que tanta preocupação, realmente, só pode ser muito amor. E não vou entender isso todas as vezes, mas, a lição da briga da vez, foi essa.  Enfim, acho que este trecho de música é realmente muito sábio : " ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais...".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Tangerina.

Botão de rosa.