tanto amor.

É que eu tenho tanto amor pra dar. E ninguém pra receber. É que eu guardo tanto esse amor dentro do meu peito,não guardo trancado a sete chaves ou em um cofre com senha. Guardo aqui,bem à mostra,bem fácil de se ver. E não é que eu goste que ele fiquei guardado,é só que não me restam muitas opções. Já quis que ele fosse de alguém,outro alguém já quis que fosse dele. Mas nunca pude tirá-lo daqui. Por isso,não ache estranho que eu seja sentimental ou romântica ou,até mesmo,sonhadora. É só um reflexo... Do que eu tenho por dentro.
Talvez,eu nunca ache alguém pra compartilhar esse sentimento,talvez,eu ache pra dar só metade,só um pouco... talvez,eu ache logo,daqui a um dia,ou um ano... essas coisas não costumam estar na esquina. Penso que existe alguém por aí,que precisa dele,que precisa de mim. E eu sei que é um pensamento ingênuo,mas não custa nada acreditar nisso. Por enquanto,eu vou mantendo tudo aqui perto de mim,vou guardando, vai aumentando cada vez mais. E,quem sabe, quando eu sentir um vazio no meu peito,um vazio bom,um vazio de completude , eu sei que vou estar com que quer receber esse amor. E pra quem eu irei dá-lo. E vou sentir esse vazio,do amor se esvaindo de mim e rumando pra outro lugar,até preencher um espaço que estava vazio de verdade. E vamos ficar completos. Como se fôssemos células com concentrações diferentes de água e estivéssemos em osmose , pra ficarmos iguais. Iguais em amor. Não tenho pressa. Já tive,mas aprendi que não faz mal segurar isso aqui dentro. O que não faz bem é que se perca em vão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou contigo.

Tangerina.

Botão de rosa.